,

"A Dádiva da vida e da morte.”


Imprimir



Por Dilmar Dutra.

Fonte: A Consciência Crística de Jesus de Nazaré, o Gnóstico Cristianizado.

A Dádiva tem a força da Constituição Cósmica, elaborada por CÓDICES DIVINOS do ANTEPASSADO DE TODOS OS SERES VIVOS, aprisionados em vestes corporeas, através dos nascimentos, onde os FRAGMENTOS DA MENTE PSIQUÊ ESPÍRITO cria no ciclos das vidas e o faz interagirem com elas (vidas em grau) para cada espécie da Diversidade dando-lhes Consciências como Amparo auto-sustentavel para estabelecer a estabilidade em autopoiese.

Tal aprisionamento teve, tem e terá, por finalidade objetivar uma usinagem de reciclagem das Energias e Matérias terem ciências guardando e registrando informações e memória nas células e moléculas em forma de refeições com atrativos de sabor e aroma, propiciados pela morte corpórea via Cadeia de presas e predadores.

Todavia! A Morte Inviolável, também é dual como tudo na Existência, além de alimento pronto para ser digerindo, manifesta-se também na falência total, como um portal por onde a Consciência retorna ao TODO, deixando o corpo que veio da Terra voltar para Terra, neste caso a Consciência Eterna sai da existência e retorna a Essência como as Mãos de DEUS, ou da SINGULARIDADE, ou outras rotulações que desejarem chamar.

Ao libertarem-se dessas vestes corporeas, esses fragmentos podem sim, retornarem em outros corpos em novas vidas perpetuadas em ciclos num modum continuum, prontas para serem úteis novamente, como parte integrantes do TODO, sem pagarem pedágios ou impostos. Pois as dádivas retornam nas caminhadas úteis de ocuparem todos os espaços com o Amor interagindo na energia e na matéria na Seara do Bem, para restituir o que outras vidas possam lhes haver tirado em compensação numa nova vida com novo corpo para plantar no porvir e dele desfrutar colhendo antes de nova morte inviolável os alcançar novamente. Assim a Consciência Crística, dar a conhecer por revelações mediúnica e Telepática a condição bioquímica em Verdade e Espírito finaliza esta mensagem.

Assinando Dilmar Dutra